A QUALIDADE NA ARTE DA ESTAMPAGEM

A Qualistamp é uma empresa de Medelo dedicada à estampagem posicional de artigos têxteis. Fundada em 2006, surgiu da fusão do conhecimento académico em engenharia e gestão industrial de Romeu Vieira com os 29 anos de experiência que Artur Marinho acumulou nesta área de atividade.

Romeu Vieira e Artur Marinho - Administradores Qualistamp

Confessando que a empresa foi criada numa fase complicada do mercado nacional, Romeu Vieira afirma que “é necessário ter coragem e acreditar quando sentimos que é o momento certo. Naquela altura havia empresas com muita capacidade de resposta, mas a verdade é que muitas delas faziam mais do mesmo”. E foi aí que encontraram a sua prin­cipal característica: trabalhar na diferenciação. Fazer diferente, mantendo como base a qualidade.

Quando se fala em diferenciação fala-se também em alteração de processos de fabrico. O know-how de Artur Marinho é várias vezes utilizado na alteração das máquinas de forma a conciliar técnicas que à partida seriam incompatíveis. Ambos os empresários concordam que os fornecedores das próprias máquinas não apostam em certos méto­dos, sendo que as alterações que o empresário faz acabam por tornar a empresa única em determinados processos. E alguns clientes que não encontram respostas para o que procuram acabam, muitas vezes, por recorrer à Qualistamp.

Já o sucesso, além de passar em grande parte por essa diferenciação, deve-se também à exigência. Romeu Vieira afirma que “consiste em estar bem rodeado, quer de prestadores de serviços, quer de fornecedores, assim como de recursos humanos. Este é um processo de gestão que no final faz a diferença.

Ao longo do tempo a Qualistamp sempre se concentrou na atualização, investindo em equipamento produtivo que permitisse rentabilidades superiores, assim como na adap­tação às tendências do mercado e acompanhamento dos clientes. Estes acabam por se tornar procedimentos irrenunciáveis quando se trata de uma casa que trabalha com produtos de moda em que o grupo Inditex é o cliente mais representativo. “No fundo já são dez anos a investir em tecnologia, na qualificação dos colaboradores e a inovar nos produtos”, confirmam os empresários.

No sentido de se manterem atualizados, os fundadores desta empresa acompanham as feiras internacionais daquele setor, como a ITMA, a Fespa, entre outras. “Acompan­hamos também o processo de desenvolvimento com os clientes, porque têm gabinetes com designers a desenvolver diariamente modelos e a conjugar técnicas, e nós depois tornamos possível essa mesma conjugação de acordo com as tendências que nos são co­municadas.” Para se compreender a tendência, verificam que diferentes clientes procu­ram um mesmo produto. “Neste momento a procura é de cores fluorescentes, vão vol­tar. Depois, de acordo com uma tendência, nós desenvolvemos estampados adequados às necessidades dos clientes”.

Desde a idealização até à entrega ao clien­te, o processo dentro desta empresa pas­sa por vários passos: tudo começa com a receção do desenho, desenvolvido pelo cliente, onde é “efetuado um tratamento específico de acordo com o objetivo final do mesmo”. Desta forma, é realizada a sepa­ração de cores e identificação das técnicas de estampagem a utilizar. Procede-se à gravação dos quadros. Após serem elabo­radas as cores e as respetivas amostras, as mesmas são submetidas a aprovação. No caso de ser aprovado, há um momento de negociação onde são acordados os timings de produção”.

Com uma capacidade de produção bas­tante considerável, atualmente a em­presa conta com 32 colaboradores e com intenção de crescer. Quanto à equipa, é jo­vem e proativa e conta com profissionais qualificados e com experiência no setor.

Já a formação é dada dentro da própria empresa, englobando uma formação geral de higiene e segurança no trabalho e uma outra mais técnica e específica, direciona­da para cada linha de produção permitindo assim exemplificar os cuidados a ter e de que forma é suposto realizar a tarefa.

Quanto ao balanço, “é extremamente positivo”, diz Romeu Vieira, quando reflete que em dez anos esta empresa já chegou ao pa­tamar de estar a competir com empresas de nível internacional. A competência e capacidade, o empenho e dedicação, tornam a Qualistamp numa empresa sólida e de referência, com uma no­toriedade mundial.

No que diz respeito ao futuro, os empresários perspetivam au­mentar a capacidade produtiva. Para isso estão já a construir uma nova unidade industrial, tencionando fazer a transição ainda durante este ano. O objetivo é ter um espaço que permita crescer e organizar a empresa de uma forma mais eficiente. A organização num novo espaço e otimização do sistema de pro­dução permitirão, com os mesmos recursos materiais e huma­nos, aumentar a rentabilidade. Para além disso está previsto um aumento da capacidade de produção com a implementação de mais uma linha produtiva, implicando o recrutamento de no­vos colaboradores. Deste modo terão capacidade para aumen­tar o leque de clientes e arrancar com novos mercados, “porque entendemos que há essa necessidade.” A nova unidade industrial localiza-se na zona industrial Monte da Pena, na freguesia de Golães, continuando no concelho de Fafe. “Iremos sempre apos­tar na diferenciação, baseados em três variáveis muito importantes: qualidade, preço e prazo. É o cumprimento destas três que define a sustentabilidade deste modelo de negócio”, finaliza Romeu Vieira.

Portugal em Destaque

Edição: MARÇO ‘17

Páginas: 70-71

Ver Artigo Original